SINDICATOS PROTOCOLAM JUNTO À COPEL A PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS COPELIANOS PARA O ACT 18/19

prot 1prot 4prot 3Os coletivos CSEC e CSMEC protocolaram junto à Copel na manhã desta quinta-feira, 19/07, a Pauta Unificada de Reivindicações dos Copelianos para as negociações do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 18/19.

A Pauta tem ao todo 55 itens, ou cláusulas, divididas em:

– 24 cláusulas a serem mantidas sem alterações no acordo coletivo, visando garantir direitos já conquistados ao longo dos anos nas negociações;

– 17 cláusulas que se referem a assuntos já presentes no acordo anterior, mas onde se prevê alterações, buscando melhorias;

– 14 novas cláusulas, visando novos direitos, garantias e benefícios aos trabalhadores.

As 55 reivindicações envolvem assuntos diversos das relações de trabalho, como garantir direitos já conquistados, melhorias remuneratórias e salariais, benefícios aos empregados e dependentes, garantias para o emprego, melhorias nas relações de trabalho e garantias e direitos sindicais.

ofícioA pauta protocolada pelos sindicatos será agora estudada pela diretoria da Copel e pelo corpo técnico envolvido nas questões diversas, para posterior início das negociações. O calendário das reuniões de negociação será definido em breve. Os sindicatos sugeriram, em ofício dirigido à Copel, que as negociações se iniciem na semana de 10 a 14 de setembro.

Os copelianos e copelianas podem conferir abaixo a íntegra da Pauta Unificada de Reivindicações.

PAUTA UNIFICADA

arte acordo 2

Anúncios
| 2 Comentários

CSEC E CSMEC UNIFICAM AS REIVINDICAÇÕES DOS COPELIANOS DE TODO PARANÁ

arte acordo 2

Olá copelianos (as):

Hoje (17) e amanhã (18) os coletivos sindicais CSEC e CSMEC estão reunidos em Curitiba, no detalhado trabalho de formar a Pauta Unificada de Reivindicações dos Copelianos (as) para a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 18/19, após as assembleias sindicais realizadas em todo Paraná.

unificação 2unificação 3A Pauta Unificada será protocolada junto à Copel no dia 19/07, quinta-feira. Após o protocolo, a Empresa analisa as reivindicações, para posteriormente se iniciarem as reuniões de negociação dos vários pontos. O calendário da negociação será definido em breve, visando que esteja concluída em setembro.

Os sindicatos divulgarão a Pauta Unificada de Reivindicações assim que for protocolada, para que todos a conheçam na íntegra e acompanhem as negociações ponto-a-ponto, quando começarem.

| Deixe um comentário

DECISÃO DO TST REVERTE RESCISÃO SEM ASSISTÊNCIA SINDICAL

reber 1Conflitos com direitos constitucionais e confusões jurídicas seguem acompanhando a nova legislação, implantada na reforma trabalhista.

Um dos pontos previstos na reforma foi tornar facultativa a homologação de rescisões de contrato de trabalho pelos sindicatos representativos dos trabalhadores. Com homologações acontecendo só no âmbito da empresa, muitos danos aos direitos dos trabalhadores estão sendo detectados, tornando difícil revertê-los. Isso porque geralmente os trabalhadores assinam termos de quitação que podem invalidar a posterior busca de direitos na Justiça do Trabalho.

Já foram detectados casos de cálculo de FGTS contabilizados apenas sobre o saldo na conta do trabalhador, sendo que deveriam ser calculados sobre o valor arrecadado durante o vínculo empregatício e muitos casos de quitação que anulam horas extras a receber.

O mais comum é que rescisão sem assistência do sindicato ao trabalhador gere assinaturas de quitação sob pressão. Essa prática, porém, sofreu um revés em decisão recente do Tribunal Superior do Trabalho – TST.

No final de junho, a 3ª Turma do TST decidiu ser nulo pedido de demissão feito por trabalhador, se não houver homologação por parte de seu sindicato. A decisão foi tomada no julgamento do recurso de uma ex-vendedora, que pediu anulação de seu pedido de demissão, mais o pagamento de diferenças rescisórias, por ter sido pressionada a assinar pedido de demissão depois de voltar de licença maternidade.

O relator do recurso da vendedora no TST, ministro Alexandre Agra Belmonte, considerou que pedidos de demissão onde o empregado tiver mais de um ano de serviço deverá ter validade somente com assistência sindical, observando que a Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do TST decidiu que a exigência, prevista na CLT, é necessária à formalidade do ato.

O movimento sindical espera que decisões como essa ajudem a consolidar na justiça trabalhista posição favorável a homologações feitas no âmbito das entidades sindicais, de modo que os direitos, frutos de muitos anos trabalhados, não se percam em um único momento, na hora da rescisão.

Os sindicatos alertam: empresas que pressionam para que rescisões não aconteçam com assistência sindical, geralmente querem se livrar de efeitos de práticas atentatórias a direitos.

Valdir Grandini – jornalista da assessoria de comunicação dos coletivos sindicais
| Deixe um comentário

PERSPECTIVAS DE CUMPRIMENTO DE METAS DE PLR EM 2018 SÃO BOAS, DIZ COPEL

reunião 1reunião 2Olá copelianos(as)

Os sindicatos e a empresa se reuniram durante todo dia da última terça-feira, 26/06, tendo em pauta a PLR/18 e a discussão quadrimestral de assuntos diversos das relações de trabalho, da avaliação funcional e de saúde e segurança.

No período da manhã o assunto foi a PLR/18. Por solicitação anterior dos sindicatos, a Copel apresentou indicadores e perspectivas de desempenho financeiro e também de inovações de gestão da distribuição, envolvendo implantação de novas tecnologias, eficiência dos serviços e novas características de aptidões funcionais. São fatores que influenciam as metas para a PLR e o futuro do trabalho na Copel.

PERSPECTIVAS DE RENTABILIDADE

Na reunião foram discutidos indicadores de rentabilidade da empresa, com apresentação de um panorama desse ano por Adriano Fedalto , da Diretoria de Finanças e Relações com Investidores.

Segundo Fedalto, um novo fator positivo é que este ano entram em contabilidade recursos gerados pelas usinas que começaram a operar. Segundo ele, as perspectivas do ano são boas.

Os sindicatos questionaram a meta de Rentabilidade do Patrimônio Líquido, onde não houve o desempenho desejado nos dois últimos anos, tornando preocupante essa meta. Os representantes da Empresa afirmaram que os indicadores de receitas caminham bem, e estão sendo monitorados. Vêem como plenamente possível trabalhar com essa meta. Diante do panorama de indicadores, o posicionamento da Copel para as metas de PLR é manter o que está ajustado nas negociações dos anos anteriores, adequando-se apenas os índices de cada meta, de acordo com a realidade prevista para o ano em exercício, de 2018.

Os sindicatos concordaram com a manutenção, ressalvando a necessidade de rever no futuro os indicadores, de acordo com seu desenvolvimento neste ano, sempre na perspectiva de melhorar o modelo, favorecendo o empenho dos copelianos.

ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA DA PLR/18

Ainda em relação à PLR, os sindicatos questionaram os representantes da empresa sobre o os prazos previstos na análise pelo CCEE – Conselho de Controle das Empresas Estatais,  buscando evitar demoras e ingerências do órgão na negociação. A empresa se comprometeu a enviar a minuta da proposta negociada para a PLR 18 para os sindicatos até amanhã, 29/06 e encaminhá-la para avaliação da CCEE depois de 05 dias, visando liberar a proposta o mais rápido possível para apreciação nas assembleias sindicais.

PAGAMENTO DA PLR/17

Em relação a PLR/17, foi feito um adiantamento agora aos empregados na ativa, que será oficializado como pagamento em setembro, com registro e tributação para os empregados ativos e pagamento também aos empregados desligados.

Para pagamento aos empregados desligados será necessário que os mesmos atualizem seus dados cadastrais junto à Copel, informando dados bancários, telefone e endereço, o que deve ser feito pelo e.mail rh@copel.com. A lista de empregados desligados será repassada pela Copel aos sindicatos, para que colaborem informando-os dos procedimentos.

Os sindicatos cobraram da Copel a divulgação das metas de 2017 aos empregados, de modo que todos possam ver e ter uma avaliação sobre os indicadores e o desempenho diante deles. A Copel assumiu a responsabilidade de fazer a divulgação na próxima quinzena.

| 1 Comentário

NEGOCIAÇÃO QUADRIMESTRAL PASSOU POR DOZE ASSUNTOS

Além da PLR, outros temas estiveram em debate e negociação entre sindicatos e a empresa durante a última terça-feira, 26/06, relacionados a discussão quadrimestral de assuntos diversos das relações de trabalho, da avaliação funcional e de saúde e segurança.

reunião 4

Júlio Shigeaki Omori fala aos sindicatos sobre as novas tecnologias na DIS

Inovações tecnológicas na distribuição

Um panorama de mudanças tecnológicas em processamento na DIS foi apresentado aos sindicatos por Júlio Shigeaki Omori, Superintendente Smart Grid da Copel, apontando novos equipamentos que estão em instalação no sistema, ligados às novas tecnologias de comunicação.

Os novos equipamentos permitem condições mais seguras de trabalho. Segundo Omori, a Copel é uma das empresas mais adiantadas na adoção dessas tecnologias, que informam e atuam nos possíveis defeitos no sistema, permitindo que sejam informados e imediatamente, isolando a suspensão de energia automaticamente por quadras nas cidades, evitando interrupções no fornecimento e agilizando serviços de reparos.

Os sindicatos fizeram perguntas ao Superintendente, em especial sobre impactos dessas novas tecnologias na segurança, nas relações de trabalho e possíveis centralizações, transferências e extinções de postos de trabalho decorrentes delas. O representante da empresa disse que a operação dessas tecnologias de ponta e muito mais segura e vão exigir novas capacidades e especialidades dos copelianos. Informou que no futuro próximo certas características de trabalho e funções vão se extinguir e outras serão necessárias em campo, com aptidões diferentes.

Padronização de horários dos eletricistas

A Copel padronizará os horários para eletricistas, para toda Companhia, saneando problemas com os horários flexíveis.

Terceirização da frota de veículos

A Copel enviará nos próximos dias aos sindicatos a NAC REVISADA relativa ao assunto, para conhecimento detalhado e avaliação.

Parecer do MT sobre vale-alimentação

Os sindicatos pediram a Copel informações sobre questionamentos do Ministério do Trabalho – MT, relacionados ao pagamento do 13º Vale alimentação aos copelianos.

A Copel informou que respondeu aos questionamentos do Ministério e que o órgão não aceitou os argumentos da empresa em favor do benefício, mas que ainda está buscando reverter o entendimento do Ministério.

Lembrando que esse benefício nasceu de negociações de Acordo Coletivo entre a empresa e os sindicatos, as entidades sindicais solicitaram acesso aos questionamentos do Ministério do Trabalho, para também avaliarem junto a suas assessorias jurídicas possíveis medidas em defesa do que entendem ser direito conquistado em livre-negociação. A Copel irá disponibilizar aos sindicatos a notificação recebida do MT.

Limitação de férias na DIS

Os sindicatos voltaram a questionar a situação de férias na DIS, no período de outubro até março, solicitando alterações na circular que limita a liberação de férias a 5% do quadro. A empresa não atendeu ao pleito, alegando que o procedimento se deve à demanda alta de serviços no período.

Custeio de exames complementares

Os sindicatos reivindicam da Copel que a área médica avalie pedidos de exames complementares, quando da realização de exames periódicos. As entidades sindicais lembraram que há casos em que o exame complementar não está previsto no rol ou requisições de exames possíveis de serem custeados, impossibilitando a emissão de laudos pelo médico, com a solicitação.

A Copel aceita esse custeio, havendo justificativas para exames complementares e pede que casos específicos sejam encaminhados, para análises específicas.

Os sindicatos solicitaram uma reunião com participação também da Fundação Copel, para discussão de exames periódicos e dos planos de saúde.

Fornecimento de uniformes antichama

A Copel informou aos sindicatos que já foi substituído o lote de uniformes que não estava de acordo com as especificações técnicas para garantia de segurança, e os novos uniformes, adequados, já estão distribuídos aos empregados. O procedimento foi solicitado pelos sindicatos em reunião anterior.

Fornecimento de lista de afastamentos médicos

Os sindicatos solicitaram da Copel lista de afastamentos médicos de empregados, para um diagnóstico dos problemas, detecção de problemas recorrentes e avaliação de possíveis relações com o ambiente de trabalho. A Copel vai analisar o pedido e responder na próxima reunião com as entidades representantes dos trabalhadores.

Punições originadas de observações das câmeras de veículos

Os sindicatos questionaram a Copel por punições originadas a partir de imagens das câmeras de veículos, levantando casos abusivos, como de punição de empregado que não estava usando camisa antichama em ocasião em que foi prestar informações a consumidor, o que configura exagero.

A assessoria jurídica dos sindicatos considera que os empregados devem ter ciência do registro de imagens e suas implicações, e direito de defesa em caso de imagens serem utilizadas em punições.

A empresa considera que as observações de atividades pelas câmeras de veículos devem ter o mesmo valor que observações realizadas in loco. Pede que casos de incoerência ou exageros sejam comunicados e tratados pelas especificidades.

Trabalhos em jornada extraordinária, sem sobreaviso

Sindicatos relataram a empresa existência de casos de empregados chamados para jornada extraordinária, não estando em sobreaviso. A empresa levantará possíveis casos, realizando cruzamento de dados, e trará o assunto para debate em próxima reunião.

Situação salarial de liberados para entidades sindicais

Os representantes sindicais solicitam à Copel a adoção de uma metodologia que permita crescimento salarial e de carreira a empregados liberados para atividades sindicais. Muitos dirigentes sindicais têm seus salários defasados em relação aos que trabalham em seus antigos setores e abaixo da média para as funções profissionais.

Para as entidades sindicais, é preciso considerar a importância do dirigente sindical liberado para que situações funcionais problemáticas sejam solucionadas, existam boas negociações de acordos, sejam dirimidos conflitos nas relações de trabalho e existam cuidados com a saúde e segurança do trabalhador.

A empresa vai abrir espaço para o debate futuro desse assunto.

Possibilidade de alteração da jornada de 8h para 6h

A empresa informou o número de empregados que aderiram a redução da jornada de 8h para 6h, propondo a padronização da documentação solicitada para a homologação dos processos junto às entidades sindicais. Houve a concordância com um prazo de 10 dias para homologação do aditivo necessário, com prazo de envio do mesmo até o dia 20 de cada mês. Os documentos necessários ao procedimento serão o contrato de trabalho, o aditivo para a nova jornada e a solicitação de alteração de jornada pelo empregado, manifestada pelo sistema APD. No sistema, o empregado deverá anexar email onde informou o sindicato que o representa de sua opção.

NOVA REUNIÃO MARCADA PARA 19/07

Sindicatos e Copel voltam a se reunir no dia 19/07, onde será encaminhada à empresa a Pauta Unificada de Reivindicações dos Empregados para as negociações do ACT 18/19. Na ocasião, também estarão em pauta a avaliação de desempenho e o seguro da frota de veículos.

| Deixe um comentário

SINDICATOS E COPEL TÊM REUNIÃO AMANHÃ, PARA NEGOCIAÇÃO QUADRIMESTRAL E PLR/18

megafOlá copelianos(as)

Os sindicatos que representam trabalhadores da Copel se reúnem com a empresa nessa terça-feira, 26/06, tendo em pauta a PLR/18 e também a discussão quadrimestral definida em Acordo Coletivo, que trata de assuntos diversos das relações de trabalho, da avaliação funcional e de saúde e segurança. A reunião acontece de manhã e à tarde.

PLR/18:

Em relação à PLR/18, na reunião a comissão negociadora da empresa deverá apresentar aos sindicatos informações sobre a margem Ebitda, que indica o desenvolvimento geral da rentabilidade da empresa, fora seus gastos. Essas informações são importantes porque dão a perspectiva de lucratividade e desempenho de atividades em 2018.

Os sindicatos insistirão em obter avanços nessa negociação, em relação à PLR de 2016 e de 2017. Querem o fim da limitação da distribuição de PLR a 14,46% do valor distribuído aos acionistas. Essa é uma medida necessária para que a PLR possa chegar ao teto de 25% dos dividendos distribuídos aos acionistas, que a legislação possibilita.

Outra reivindicação dos sindicatos é que se evite tributação sobre o montante geral do lucro líquido a ser distribuído, evitando que seja reduzido. A empresa ficou de estudar essa possibilidade, e deve apresentar uma posição amanhã.

QUADRIMESTRAL:

Em relação a negociação quadrimestral, os sindicatos enviaram à Copel uma relação de assuntos para discussão:

1- Pagamento PLR aos empregados desligados;

2- Padronização de mudança de horário dos eletricistas;

3- NAC revisada tratando da frota terceirizada;

4- Posição do MPT em relação ao Vale alimentação;

5- Necessidade, levantada pelos sindicatos, de alteração de Circular da Copel Distribuição contingenciando a quantidade prevista de férias para o período de Outubro até Março (5% do quadro);

6- Questões de Saúde e Segurança no Trabalho: posição em relação a solicitação dos sindicatos de que a área médica da COPEL avalie os pedido de exames complementares, quando da realização dos periódicos.

7- Uniformes Antichama: informações da Copel aos sindicatos sobre a situação atual do fornecimento de uniformes e das inspeções de segurança, após a Copel ter solicitou a substituição do lote de equipamentos;

8- Fornecimento de lista de empregados com afastamento médico.

9- Informações da Copel aos sindicatos sobre punições de empregados, diante de situações observadas pelas câmeras dos veículos:

10- Informações da Copel sobre trabalhos em jornada extraordinária, verificada junto à DIS;

11-Informações sobre processos relevantes que impactem no resultado financeiro da empresa;

12- Informações da DIS sobre manutenções preventivas na Copel;

13- Rediscussão do sistema de avaliação de empregados na Copel;

14- Remuneração salarial de empregados Liberados para entidades.

Informaremos sobre o resultado da reunião.

Valdir Grandini, jornalista da assessoria de comunicação dos sindicatos
| Deixe um comentário

LEVANTAMENTO DO DIEESE MOSTRA RETOMADA DE GANHOS SALARIAIS ACIMA DA INFLAÇÃO EM 2017

reajustesO Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos – DIEESE, publicou neste junho o Balanço das negociações e reajustes salariais de 2017, onde foram analisados os reajustes resultantes de 643 negociações de categorias de trabalhadores brasileiros, na indústria, comércio e serviços, tanto do setor privado quanto de empresas estatais, detectando tendências dessas negociações.

Tomando o INPC medido pelo IBGE como referência de perdas inflacionárias, o balanço do DIEESE aponta que 63% das negociações resultaram em reajustes com algum ganho real de salário, ou seja, ficaram acima da inflação acumulada nos últimos 12 meses. Os reajustes que ficaram apenas na reposição das perdas inflacionárias foram 29% dos casos analisados. Já os reajustes inferiores à inflação, foram 8% dos casos.

Dentre os 407casos de reajustes acima da inflação, 80%, ou 319 casos, tiveram reajustes de até 1% acima da inflação. O DIEESE avalia que, comparativamente a anos anteriores, as negociações salariais ano passado foram melhores que as de 2015 e 2016, quando houve maior recessão econômica. Em 2017 foi menor o pagamento de reajustes em parcelas. Se em 2016 houve parcelamento em 30% dos reajustes, ano passado caíram para 3% esses casos.

A retomada de negociações com algum ganho real é importante para que os trabalhadores tenham perspectivas de melhorar a qualidade de vida. Na opinião dos coletivos sindicais que representam os trabalhadores da Copel, as políticas salariais da empresa não podem se basear apenas numa meritocracia onde a maioria fica de fora e não se valoriza o conjunto dos trabalhadores. A luta por reajustes acima da inflação é um dos objetivos da negociação do ACT 18/19.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – DIEESE foi fundado em 1955, visando desenvolver estudos para subsidiar as demandas das lutas dos sindicatos de trabalhadores. São mais de 60 anos desenvolvendo este serviço, o que conquistou credibilidade nacional e internacional como instituição de pesquisa, assessoria e formação.

Veja a íntegra do estudo do DIEESE clicando no link abaixo:

Pesquisa reajustes 2017

Valdir Grandini – Jornalista da assessoria dos coletivos sindicais
| Deixe um comentário