GOVERNO QUER PRIVATIZAR DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS COMO “CONSOLO” AOS INVESTIDORES

consoloNotícia de ontem na imprensa (jornal “O Globo”; InfoMoney): o governo Temer já não espera conseguir privatizar a Eletrobras esse ano, mas quer dar um consolo aos que esperavam pela privatização, acelerando a venda, em 2018, das distribuidoras da Eletrobras no Norte e Nordeste. O blog COLETIVO já havia adiantado essas duas tendências.

É importante que se diga aqui com todas as letras o que a imprensa ligada aos interesses de mercado deixa de dizer: quem espera e quer isso a todo custo são grandes grupos econômicos de investidores, para os quais esse é um negócio muito promissor, já que estão loucos para controlar, pagando valores irrisórios, um mercado gera mais de 30% da energia consumida no país e distribui quase 50% dela.

Na última sexta, 15/06, o governo publicou no Diário Oficial da União o edital de leilão de seis distribuidoras, a Amazonas Distribuidora de Energia S.A, a Boa Vista Energia S.A, a Companhia de Eletricidade do Acre – Eletroacre, a Companhia Energética de Alagoas – Ceal, a Companhia Energética do Piauí – Cepisa e a Centrais Elétricas de Rondônia S.A. – Ceron. Elas  atuam no Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia e Piauí.

O edital foi publicado pelo BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e estabelece a forma e as condições para a privatização. A forma se dará mediante concessão de serviço público, ao mesmo tempo associada a transferência de controle acionário das empresas. Assim, é como se o governo apenas deixasse de controlar as empresas, continuando acionista. Na prática, além de ceder controle de mercado, cede um imenso patrimônio construído. O valor mínimo fixado no edital para a venda de cada uma das concessionárias, de R$ 50 mil, apenas complementa a imensa piada de mau gosto que é essa privatização.

O fato de ter publicado o Edital visando privatizar as distribuidoras não significa que o governo vá conseguir efetivá-las. A Medida Provisória 814, que visava dar aos compradores segurança em relação aos passivos dessas empresas, à medida em que seriam assumidos pela Eletrobras Holding, caducou sem ser aprovada na Câmara dos Deputados. O governo enviou no início desse mês um projeto de lei nesse sentido, em regime de urgência e intenciona aprova-lo antes do recesso parlamentar de julho.

O Coletivo Nacional dos Eletricitários trabalha intensamente para brecar a votação do projeto e impedir a intenções do governo.

 Valdir Grandini, Jornalista da assessoria dos coletivos sindicais

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s