ACT 2013/14: Copel segue calada sobre data das negociações

Os 13 sindicatos que representam os trabalhadores que se mantiveram unidos na greve de 2012 informam que a reunião prevista para esta quinta-feira (5) com a Copel se destinaria a esclarecer eventuais dúvidas da empresa quanto à pauta de reivindicações dos trabalhadores para o Acordo Coletivo de Trabalho 2013/14.

Essas reuniões foram um pedido dos sindicatos à Copel, para evitar que esse processo tivesse que ser realizado durante as negociações. A Superintendência de Recursos Humanos, porém, cancelou-a, alegando não ter dúvidas sobre os itens restantes.

Treze dias após receber pedido feito pelos 13 sindicatos para que reuniões que discutirão o novo ACT sejam realizadas entre 16 e 20 de setembro, a empresa ainda não se manifestou a respeito.

No ofício em que fizeram o pedido, os sindicatos lembram a Copel que todo o conteúdo das reuniões será registrado em ata, para garantir transparência total e respeito aos termos acordados.

Esse post foi publicado em ACT 2013/14, Notícias do Coletivo. Bookmark o link permanente.

11 respostas para ACT 2013/14: Copel segue calada sobre data das negociações

  1. Mais uma ação para o MP resolver

  2. divino84 disse:

    A Empresa esta sendo sucateada para ser vendida, ela não esta nem ai para os funcionários, este diretoria duvida q copeliano faça uma greve de verdade.

  3. copalhaço disse:

    Boa tarde povo da copel, gostaria de saber mais sobre essa tal produtividade, uma tabela pré definida com tempo estipulado de tarefas padronizadas, cobrando uma meta de produtividade que esta fora de cogitação, pois o que é exigido dificilmente será alcançado, gostaria de saber o motivo disso não estar no GSST, porque nenhum técnico e segurança nos passou que temos tempo para realizar tarefas na área de risco, e principalmente, o que ganho se atingir essa meta? Se caso fique fora dessas metas, a copel pode legalmente fazer sanções contra o funcionário? Abç Povo e força.

  4. eletricistasdo disse:

    se não for puro energia será retirado da area de risco perdera periciulosidade,hora extra e sobreaviso, é isso que leles querem enxugar o quadro.,mais grana p os acionistas e PENSEM DIVIDIRAM A COPEL EM 4 EMPRESAS, E A diS DANDO PREJU, VENDEM A DIS que é onde se concentra o maior numero de eletricistas,e pé na bunda.,tercerizam os serviços é isso.igual a brasil telecom quem se lembra do tempo da TELEPAR.meu pai trabalahava na telepar faltava 5 anos p se aposentar e venderam 30 dias depois pe´na bunda..ele foi trabalhar de porteiro de predio na epoca p gente não passar fome eu e meus 4 irmaos todos na faixa de 8 anos.meu irmão com 9 anos na epoca foi vender picole. e minha mae costurar,,,,é isso eles não estão nem ai p vc ,ou o que vc fez ,só pensam em grana dinheiro, esse é o imperio capitalista.

  5. bau2005 disse:

    É lastimável o rumo que a Copel está tomando, essa diretoria está enxugando tudo da pior forma possível, quanto a tomada de tempo nas atividades quando acompanhadas por técnicos de seguranças, assim como estão para te avaliarem solicite que façam a tomada de tempo da atividade na integra e que esta informação também seja colocada em seus relatórios de segurança. E a FC, o que é a que está acontecendo com ela? Vamos cobrar por notes e-mails nossos representantes no conselho, para que possamos ter a resposta do que está havendo na FC e exigir uma denuncia no MP. Se tivermos vergonha na cara, sabemos o que temos que fazer no ano que vem, este desgoverno está destruindo a cia, o que a turma do Lerner não conseguiu, este piá de prédio está conseguindo, devemos trabalhar para que não ganhe nem como síndico de condomínio, um perfeito desastre na administração politica do estado. Estão enchendo os bolsos o quanto podem, e as tetas estão secando, e enquanto o povo tiver pão e circo, não verão o que está acontecendo a sua volta. Fiquem com Deus.

  6. José Scheler disse:

    A COPEL DISTRIBUIÇÃO MANDA TODO MUNDO ECONOMIZAR ATÉ NO PAPEL, DESPROMOVE TODO MUNDO, NÃO CONTRATA NINGUÉM SUCATEANDO A EMPRESA E PASMEM: PONTA GROSSA ESTÁ COM TRÊS TÉCNICOS DE SEGURANÇA!!!!!. NA MINHA ÁREA FALTA TÉCNICO DE SEGURANÇA.
    JÁ SEI, O SUPERINTENDENTE DE PONTA GROSSA ESTÁ LOTADO AGORA EM CURITIBA, A MORDOMIA CONTINUA PRA ALTA CÚPULA.
    O SENHOR DANIEL QUER FAZER BONITO EM SUA REGIÃO.

  7. plantao10 disse:

    OS SINDICATOS SEGUEM CALADO SOBRE A POSSÍVEL PRIVATIZAÇÃO DA COPEL, NÃO SE MANIFESTAM NÃO INFORMAM. não sei até quando iram ficar calado, irão esperar a privatização estar concluída para fazerem barulho, mas dai já será tarde de mais. Já estou começando a achar que os sindicatos são a favor da privatização.

  8. poisze56 disse:

    Subsidiárias.
    Bom, dizem os mais antigos que foi uma corrida a cargos e que aumenatram salários, o coleguismo foi o critério. Quando já existiram as subsidiárias. Há apreensão. Colegas desejam sair(da pior), outros ficar, outros entrar “na melhor”.
    Alguém sabe se foi assim? O que serpa diferente desta vez?
    O propósito pelo que tá nas notícias é otimizar pmso e agilizar tudo.
    Privatização ???? Esta foi a intenção passada não foi? Quem tem os detalhes, Favor postar para iniciar as idéias.

  9. eletricistasdo disse:

    A proposta da paranaense Copel de reduzir, de dez para cinco, o número de diretorias, que será votada em assembleia geral extraordinária em 10 de outubro, tem o objetivo de adequar a empresa ao cenário de negócios do setor elétrico após a Medida Provisória 579/2012 (transformada na lei 12.783/2013), relativa ao vencimento das concessões elétricas.

    “Alterações no setor elétrico, impostas pela Lei 12.783, de 11 de janeiro de 2013, que dispõe sobre as concessões de geração e de transmissão de energia elétrica e impõe redução de receitas à Copel, acabaram por obrigar a companhia a adequar-se e prevenir-se, tomando as decisões necessárias com vistas a sua sustentabilidade e a assegurar seu crescimento”, informa a diretoria da Copel, em proposta para alteração do estatuto social da empresa.

    A diretoria da elétrica paranaense propõe que sejam extintas as diretorias jurídica; de distribuição; de engenharia; de geração e transmissão de energia; de meio ambiente e cidadania empresarial; de novas energias; e de telecomunicações. Por outro lado, a companhia propõe a criação das diretorias de relações institucionais e da diretoria de desenvolvimento de negócios.

    Já a diretoria de finanças, relações com investidores e de controle de participações, segundo a proposta, passará a ser denominada diretoria de finanças e de relações com investidores. Também é proposta a mudança da nomenclatura da diretoria de gestão corporativa, que passará a ser denominada diretoria de gestão empresarial.

    Também está prevista mudança nas atribuições dos diretores, incluindo o diretor-presidente.

    Ainda segundo a proposta da diretoria, as alterações sugeridas no estatuto social tem o objetivo de “dotar a companhia de maior agilidade e flexibilidade mais amplas para atendimento de seus objetivos sociais, ante os desafios decorrentes do cenário econômico nacional e da configuração institucional do setor elétrico e, também, para aperfeiçoar a gestão dos negócios das subsidiárias integrais da Copel”.

    (Rodrigo Polito | Valor)

    © 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

    Leia mais em:

    http://www.valor.com.br/empresas/3264822/copel-corta-diretorias-pela-metade-como-adaptacao-cenario-pos-mp-579#ixzz2fCBaYrL8

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s